Brasil precisa aumentar número de satélites, diz diretor da AEB

26/10/2009 17:38

Luciana Lima - Agência Brasil

O Brasil precisa investir mais em tecnologia espacial para aumentar o número de seus satélites de comunicação.

A afirmação foi feita Thyrso Villela, diretor da Agência Espacial Brasileira (AEB), durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), evento organizado pelo Ministério de Ciência e Tecnologia.

"Se compararmos com outros países, o Brasil possui apenas três satélites em operação, enquanto os Estados Unidos da América possuem 400, a Rússia 85 e a China 55", comparou.

Melhor plataforma de lançamento do mundo

O pesquisador comentou que o Brasil dispõe de apenas uma plataforma de lançamento, localizada na Base de Alcântara, no Maranhão. No entanto, de acordo com Villela, ela é a melhor base do mundo, devido à sua posição geográfica.

Em sua palestra ele se ocupou também em demonstrar como a tecnologia espacial está presente no cotidiano e como os satélites são essenciais para a vida moderna.

"O que vocês acham que a área espacial tem a ver com a vida de vocês?", perguntou Villela antes de demonstrar que as que dependem da área espacial todas as tecnologias ligadas às telecomunicações, como internet, telefonia celular e televisão. "Sem os satélites, essas comodidades da vida moderna não seriam possíveis".

Villela também enfatizou a importância dos satélites para o monitoramento do território, das fronteiras e da costa brasileira. "O Brasil precisa da área espacial. Não é apenas uma aventura, nós precisamos dela," destacou.

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia foi encerrada neste final de semana. Pela tenda armada na Esplanada dos Ministérios e pelos demais eventos que ocorreram em outras partes do país, o governo estima que passaram cerca de 100 mil pessoas.

A semana contou com mais de 22 mil eventos cadastrados, em ações em todo o País. Participaram do evento cerca de 650 instituições espalhadas por mais de 430 municípios.

Em 2008, foram realizadas 10.859 atividades, em 445 cidades e com a participação de aproximadamente 755 instituições de ensino e pesquisa e entidades diversas em todo o País.

Neste ano, a sexta edição da SNCT teve como tema Ciência no Brasil e homenageou os 300 anos do primeiro voo de balão de ar quente, uma iniciativa do padre Bartolomeu de Gusmão .

Também foram comemorados o centenário da educação profissional e tecnológica e a descoberta do mal de Chagas pelo sanitarista Carlos Chagas e os 150 anos de nascimento do naturalista suíço Emílio Goeldi, que dá nome a uma das principais instituições de pesquisa do país, vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), o Museu Emílio Goeldi, no Pará.